e-Books Incríveis para Você! Leia o Boletim e Cadastre-se!
 
 
Dia de Visita em Presidios Femininos
Volta à Página Anterior



Por: Elizabeth Misciasci




Dia de Visita na maioria dos Presídios de Mulheres

Traduzindo o jargão: dia em que as detentas recebem os parceiros para duas horas de intimidade atrás das grades. Em qualquer prisão masculina, o cenário seria de filas e filas de mulheres esperando a vez de aplicar o cafuné no namorado, marido ou amante fixo. No presídio feminino, isso não acontece.

Normalmente, a Visita, tem todo um aparato que antecede o Dia esperado por algum parente ou pessoa amada. As faxinas, são regras tanto nos cárceres masculinos como nos femininos.

Porém, as Mulheres, "fazem as unhas" arrumam os cabelos, preparam o uniforme, como se fosse uma roupa de festa... Afinal, Dia de visita é um dia Especial. Para as que não recebem visitas, elas não ficam alienadas, ajudam nas limpezas e muitas são as "profissionais de beleza" das demais, embora não neguem, ser um dia muito triste, principalmente em épocas de festas e comemorações...



Em dia de visita nos Presídios de Mulheres

As visitas, para os que estão na condição de pessoa presa diferem. Os que estão em Presídios, recebem seus parentes, sob normas limitadas, que se estendem em regras sem exceções, e vai desde os dias determinados para o contato, às vestimentas com respectivos acessórios, calçados dos visitantes, número de visitas, lista de rol autorizado e determinado pela pessoa reclusa, e produtos a serem entregues pelos visitantes aos visitados (o chamado “jumbo”).

Já para quem se encontram em delegacias, as normas (embora não menos rígidas) são diferentes e variam.

 

No presídio, a pessoa detida, apresenta uma relação de no máximo oito visitantes autorizados a visitá-la "rol de visitas". Esta lista dá direito á visita, apenas aos familiares com parentesco de primeiro grau, que são cadastrados e “checados” junto ao Instituto de identificação, para certificação de que a pessoa relacionada, não esta em cumprimento de pena, ou se esquivando de possível mandato de prisão, sendo foragido (a).

Quando se trata de pessoa estrangeira, ou abandonada pelos familiares, o rol pode ser alterado de acordo com a complacência da Direção geral da unidade, podendo então dar permissão a duas pessoas comprovadamente amigas, a entrar no presídio.

A cada visita, (quase sempre aos domingos) apenas duas pessoas podem visitar seus parentes. Em se tratando de crianças, estas precisam estar acompanhadas de pessoas de maior idade e ás vezes, necessitam apresentar autorização expedida pelo juizado da vara da infância e juventude. Apesar de as visitas ficarem restritas aos domingos, o chamado "jumbo" pode ser postado durante os dias da semana, em horários que normalmente vão das 09h00min até as 16h00min h.

O “jumbo” é totalmente revistado na frente da pessoa que esta enviando, enquanto cada item já checado é relacionado em uma ficha em três vias.

No final da checagem completa e relatada dos pertences deixados, a pessoa que transportou e acompanhou a vistoria, assina a cópia do que pediu para ser encaminhado para a pessoa detida (Jumbo) fica com uma cópia, a segunda via vai junto com as compras para que o “beneficiário” confira e a terceira, fica no setor responsável.

Embora não seja proibido, o mais sensato e recomendado inclusive pelos funcionários das unidades é que evitem levar “jumbo” em dia de visita e sim alimentos prontos (em refratários plásticos) sobremesas e refrigerantes (garrafas pets). Isso para evitar a demora em filas de “revista”, e dar mais durabilidade de permanência junto à pessoa visitada.

Normalmente, a mulher quando ingressa no sistema prisional, passa de dez ou quinze dias às vezes até trinta, para sair do R.O. (Regime de Observação) em algumas unidades é conhecido como “escolinha”. No R.O. as reeducandas, normalmente tomam ciência das normas da unidade, o que é plausível de punição, ou seja, o que dentro da cadeia é considerado contravenção e mesmo não sendo ainda sentenciadas, são alertadas para as punições aplicadas em caso de faltas.

As faltas dividem-se em duas: Faltas Leves e Gravíssimas. Sendo que as de teor grave (entre estas, o uso de aparelho celular) podem levar a reeducanda para o castigo mais “pesado” dentro da realidade carcerária, principalmente a feminina, que é ou o RDE ou RDD. Assim sendo, mesmo sem ter culpa configurada, a falta grave pode e leva a “contraventora” ao Regime Diferenciado.

Não são todas as Penitenciárias que aderem o R.O., porém, este é um percurso inicial recomendável, até para as reincidentes, a fim de se adaptarem a dinâmica da unidade prisional e a realidade que passará a viver.

Em razão deste procedimento, as visitas de parentes, também se restringem até a nova reclusa sair do R.O. e ir para o convívio com as demais encarceradas.

O fato de não poder receber visita e estar fora do “convívio” geral, não impede que a acusada receba “Jumbo” que pode ser depositado na unidade por qualquer pessoa maior de dezoito anos, desde que os pertences/compras a serem entregues, estejam dentro da relação de itens permitidos pelo sistema penitenciário.


 

Mulheres que não recebem visita

Para as Mulheres que não recebem visita, o final de semana é o "mais pesado" no transcorrer do tempo em que cumpre pena.

Pelo fato de algumas terem seus parentes sempre presentes, acabam recebendo alimento que normalmente é dividido no final da visita entre as parceiras de cela. Porém, há os casos de "x" (cela/xadrez) em que nenhuma das reeducandas recebem nada, assim sendo, passam o dia inteiro até anoite sem alimento algum.

Em situações conflitantes, em que o desespero se faz latente, não é difícil encontrar uma mulher, vasculhando um latão de lixo, em busca de alimento.

Mesmo passando quase vinte e quatro horas, sem se alimentarem, as "abandonadas" recebem um único lanche no no horário do jantar. Quase sempre é servido um pãozinho adocicado com uma "salsicha rosa," "uma fatia de mortadela" ou "geléia/patê" não "identificado" pelo paladra...

"A ração do domingão".

Estes fato, tornou-se um procedimento normal, uma vez que, (entre outros) serve para enxugar despesas e desperdícios, com uma minoria que se abastece de produtos vindos de fora. Em dia de visita, o lanche, tornou-se habitual, onde algumas o apelidaram de "ração do domingão".

Enfim,

a cena mais triste, em um dia de visita é a hora que (quem esta de fora) presencia a despedida da reeducanda com seu(s) visitante(s). É impossível conter as lágrimas, pois estas vertem de filhos, mães, filhas, pais e principalmente das que ficam...

*Nota:- Por Elizabeth Misciasci - O texto pode ser copiado, reproduzido, acrescentado em teses, artigos e tccs, trabalhos, pesquisas, desde que não seja alterado, nem mudado o teor e mencionada a autora, endereço e fonte.

Leia Mais abaixo - assuntos relacionados

Visita Intima e Difícil Visita

 

Leia Mais...


Creative Commons License
Visita em Presídios Femininos by Elizabeth Misciasci zeP!

is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Pesquisas- 2.5 Brasil License.
Based on a work at www.revistazap.org.
Permissions beyond the scope
of this license may be available at http://www.eunanet.net/beth/index.php.

Creative Commons License
 *Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial
Sem a autorização da Autora -Elizabeth Misciasci esta Vedada a Criação de Obras Derivadas com fins lucratícios 2.5 Brasil.
Para ver uma cópia desta licença, clique aqui ,ou envie uma carta para Creative Commons, 171 Second Street, Suite 300, San Francisco, California 94105, USA.



Leia também

Presídios on-line

-Encarceradas

-Alguns problemas sofridos pela Mulheres nas Prisões

-Mulheres que estupram

-Mulheres e o Narcotráfico

-Mulheres que Matam 1

-Mulheres Pedófilas

-Mulheres Presas! Motivo: Artigo 12

-Usuários de drogas. Administrando o drama

-O Consumo de álcool na adolescência

-Overdose

-Drogas Lícitas e Ilicitas

-Aumento da criminalidade feminina

News zaP!

Gravidez nos cárceres

Mães na condição de Pessoa Presa

Aleitamento Materno,

Separação Pós Parto

A Gravidez, estrutura e período Pós

Parto na Penitenciária Feminina de Teresina - Piauí

Mães e Crianças Atrás das Grades

Direito da Pessoa Presa

  Volta à Página Anterior