e-Books Incríveis para Você! Leia o Boletim e Cadastre-se!
 
  São Paulo esta com seu Sistema Prisional Feminino um caos! Volta à Página Anterior

 

Sistema Prisional Feminino - Um caos!
Maio 2008-Arquivo

São Paulo

 

As prisões do País violam os direitos fundamentais dos homens e mulheres encarcerados. Não garantem a vida, a integridade física, psíquica e moral dos presos. As mulheres trancafiadas têm sido submetidas a maus tratos, tortura e a tratamentos cruéis e degradantes. As detentas também sofrem violência sexual. Essas são as conclusões do relatório preliminar do grupo de trabalho interministerial criado pelo governo em maio para elaborar propostas para reformulação do sistema prisional feminino nacional.



Há atualmente 25.909 mulheres encarceradas no Brasil, as quais representam 6,2% da população carcerária. O país só tem 55 unidades prisionais exclusivamente femininas. O pré-relatório apresenta uma série de sugestões ao Ministério da Justiça e à Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres da Presidência da República. O relatório final, a ser divulgado no mês que vem, conterá outras propostas.


Segundo o presidente da CPI do Sistema Carcerário, deputado Neucimar Fraga (PR-ES), o ministro da Justiça, Tarso Genro, prometeu aos integrantes da comissão a construção de 5.500 vagas femininas a partir do ano que vem. Apesar de elogiarem a iniciativa do governo, representantes de organizações não governamentais que atuam na área não esperam uma resposta rápida e eficaz do setor público para os problemas do setor.


"Há 15 anos temos denunciado isso", comentou o assessor jurídico da Pastoral Carcerária, Davi Pedreira. "Não acredito que vá mudar, pois o Departamento Penitenciário Nacional do Ministério da Justiça (Depen) continua sem recursos. Além disso, há que se mudar um paradigma. Não se pode ver o sistema penitenciário como um instrumento para punir, mas para cuidar e ressocializar".


Diretora da subsecretaria de Articulação Institucional da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres e coordenadora do grupo de trabalho, Maria Elisabete Pereira disse ter ficado chocada com as constatações do grupo interministerial.


"A tortura é generalizada. Como o sistema é tão esquecido, isso não foi uma surpresa, mas choca. O sistema fugiu do seu objetivo, que era ressocializar. Virou um depósito de gente", lamenta a subsecretária.


Maria Elisabete está, entretanto, otimista. Segundo a coordenadora do grupo de trabalho, a partir do mês que vem o Executivo começará a procurar os governos estaduais a fim de fechar parcerias. O governo liberará recursos. Os Estados serão responsáveis pelo pessoal e pela operação dos projetos. Diversos ministérios preparam ações voltadas para os homens e mulheres presos e suas famílias. Serão anunciados programas de educação, saúde e inserção no mercado de trabalho.


Formado por representantes da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, Secretaria Especial de Promoção da Igualdade Racial, Secretaria Especial de Direitos Humanos, dos ministérios do Trabalho, da Saúde, da Educação, do Desenvolvimento Social, da Cultura, dos Esportes, da Secretaria Nacional Antidrogas e da Secretaria Nacional da Juventude, o grupo de trabalho propôs a construção de estabelecimentos com características específicas para as mulheres.


As detentas precisam, por exemplo, de berçário e creche. Sugeriu a manutenção de programas educacionais e de qualificação profissional, assim como a criação de políticas públicas de saúde para as mulheres que garantam a atenção à maternidade e aos cuidados ginecológicos.


Pede também a formulação de regras para regulamentar a situação de presas que são mães e seus filhos. Hoje, cada Estado decide quanto tempo as crianças podem conviver com as mães na cadeia. (A matéria é de autoria do repórter Fernando Exman do Jornal do Brasil)


Fonte: CF-OAB


Dezembro de 2007

Relatório preliminar de um grupo interministerial do governo admite que mulheres presas no Brasil têm sido torturadas e violentadas. O grupo foi criado em maio deste ano para elaborar propostas de reformulação do sistema prisional feminino. Hoje, a Comissão de Direitos Humanos do Senado fez uma audiência pública para discutir o assunto.

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Cezar Britto, participou do encontro e defendeu o aumento de defensorias públicas. Ele alega que muitos dos presos nas superlotadas carceragens brasileiras deveriam estar soltos.

Britto admite que a situação das mulheres presas é muito pior que a dos homens.

- Se o sistema é indigno para todos em situação prisional, é muito mais indigno para as mulheres.

Atualmente, 25.909 mulheres estão presas no país. Em todo o território nacional existem apenas 55 unidades prisionais exclusivamente femininas.

O presidente da OAB acredita que falta uma "compreensão" do Estado de que prisões não são "depósitos de mercadorias". Ele cita o exemplo da prisão de Urso Branco, em Rondônia, onde só agora os presos terão acesso à água potável.

O relatório conclusivo deverá ser apresentado em janeiro, quando irá propor medidas ao Ministério da Justiça e à Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres.

Leia também


Leia também

-Homossexualidade

-Mulheres e o Narcotráfico

-Remissão de Pena

-Amor Bandido

-Mulheres que Matam 1

-Mulheres que Matam 2

-Mulheres que estupram

-Mulheres Pedófilas

-Mulheres Presas! Motivo: Artigo 12

-Usuários de drogas. Administrando o drama

-O Consumo de álcool na adolescência

-Overdose

-Drogas Lícitas e Ilicitas

-Aumento da criminalidade feminina

-Aumento das Mulheres no Mundo do Crime

-Dia de visitas nas penitenciárias femininas

-Visitantes e a constrangedora revista em presídios

-Visita íntima nas prisões

-Elas desacreditam nas leis brasileiras

-Estrangeiras Presas no Brasil

-A sobrevivência e a Vidas nas prisões

-Depoimentos de Mulheres na Prisão

-Homossexualismo nos cárceres femininos

-Gravidez nos Presídios de Mulheres

-Mães na condição de Pessoa Presa

-Aleitamento Materno,

-Separação Pós Parto

-Pais Provisórios e Mães encarceradas

-Criminalidade Feminina

-Os maiores problemas enfrentados pelas mulheres na cadeia

-A tão sonhada e difícil liberdade

-Perspectiva da Mulher na Prisão

-Por que e como entrei para o mundo do crime?

-Egressas. O recomeço depois da temporada na prisão

-Depois de cumprir pena, mulheres não querem mais falar

-Objeto Reabilitador

-O ambiente carcerário é um meio artificial que não permite de fato a reabilitação?

-Mulheres Presas! Motivo: Artigo 12

-Usuários de drogas. Administrando o drama

-O Consumo de álcool na adolescência

-Overdose

-Drogas Lícitas e Ilicitas

-Aumento da criminalidade feminina

Leia também

-Encarceradas

-Alguns problemas sofridos pela Mulheres nas Prisões

-Mulheres que estupram

-Mulheres que Matam 1

-Mulheres Pedófilas

-Mulheres Presas! Motivo: Artigo 12

-Usuários de drogas. Administrando o drama

-O Consumo de álcool na adolescência

-Overdose

-Drogas Lícitas e Ilicitas

-Aumento da criminalidade feminina

News zaP!

Presídio on-line

-Caso Isabella Nardoni na íntegra

-Isabellinha Oliveira

  Volta à Página Anterior