Colunista

Sandra Domingues

Hora da Solidariedade

Leonardo Pereira Pompeu precisa e merece nossa solidariedade

Postado por Sandra Domingues em 16/11/2011 16:26:00


























Leonardo no Centro Educacional Darcy Ribeiro, onde é tido como um dos melhores alunos: "Nota 7, para mim, é muito pouco"

Jovem com doença rara estuda e é destaque entre seus colegas de escola

De longe, sentado em uma cadeira de rodas desgastada, Leonardo Pereira Pompeu parece frágil. Aos 16 anos, pesa 21kg. A forma física, porém, não condiz com a força do adolescente. Portador de amiotrofia espinhal progressiva, doença genética, que atrofia músculos e impede movimentos, Leonardo resistiu a inúmeras internações. Briga contra prognósticos pessimistas e supera limitações físicas em busca de uma vida normal. Não está sozinho na luta. Conta com o apoio de uma família carinhosa, professores dedicados e amigos solidários.

Leonardo estuda em uma escola pública, o Centro Educacional Darcy Ribeiro, próximo à casa dele, no Paranoá. Com a cognição totalmente preservada, cursa o 2º ano do ensino médio. Destaca-se como aluno modelo. Tem uma rotina cheia de consultas médicas e cirurgias. Os movimentos abandonaram o corpo de Leonardo aos poucos. Quando tinha 5 anos, ele perdeu o equilíbrio enquanto andava. A esperança de que fosse algo passageiro durou quase nada. Ele nunca mais moveu as pernas sozinho. Em 2005, retirou parte do pulmão, para diminuir a incidência de doenças.

O rapaz morou durante seis meses no hospital, em 2008, devido a uma infecção generalizada. No ano seguinte, foi dispensado do tratamento, ao ser considerado paciente terminal. Apesar de definições cruas e frias como essa, Leonardo não desistiu da vida. Estudou durante as internações. Não reprovou nenhuma vez.

Atualmente, ele recebe cuidados médicos em casa, incluídas avaliações de pediatra (por conta do pouco peso), neurologista e nutricionista. Também vai ao Hospital do Paranoá, quando necessário. Lá, conquistou a simpatia dos doutores e ganhou deles um computador portátil, que usa com esforço. Em 2009, Leonardo teve aulas em casa. Professores se ofereceram para ensinar fora da escola. No ano seguinte, o rapaz insistiu em voltar ao colégio. Sentia falta da convivência com os amigos.

É dono de um boletim irretocável. “Nota 7, para mim, é muito pouco”, disse. Leonardo gosta de ler, mas também adora matemática. Não liga para previsões pessimistas e pensa no futuro. Quer ser advogado ou “profissional da área de informática”. Sonha com uma vida que para muitos não vai além do normal. “Quero me formar na faculdade, ter minha profissão e fazer tudo que as pessoas fazem”, anseia. Dificuldades não faltam. Persistência também não.

A independência de Leonardo fica mais comprometida pela falta de cadeira de rodas motorizada. É a mãe dele, Luzinete Pereira da Silva, 54 anos, quem empurra a cadeira manual, desde que o filho perdeu quase todos os movimentos dos membros superiores, em 2008. A família não tem carro. A mãe vive em função do adolescente. Passa a manhã na escola com ele. Ajuda inclusive a copiar as lições em sala de aula. “Eu sou os braços do Léo”, resumiu Luzinete. O pai de Leonardo é motorista de ônibus. O salário não sobra para despesas além de aluguel e alimentação.

Solidariedade

Sensibilizados pela necessidade do colega, alunos do Centro Educacional Darcy Ribeiro fizeram campanha para arrecadar dinheiro e comprar a cadeira especial. Anualmente, o colégio promove um evento chamado Festival da Paz. Uma das atividades consiste em destinar doações a entidades carentes. Este ano, os estudantes fizeram diferente e beneficiaram Leonardo. Bateram de porta em porta em busca de ajuda. Conseguiram R$ 5 mil, que estão depositados em uma conta poupança em nome do jovem.

A quantia, porém, não é suficiente para bancar os gastos. “Uma cadeira de rodas motorizada pode custar entre R$ 8 mil e R$ 30 mil. A que ele precisa tem muitas especificações e não é das mais baratas”, explicou Luzinete. A mãe olha esperançosa para o documento assinado por médicos com a recomendação da compra da cadeira. Vários itens, como joystick (tipo de controle) e regulagem de altura de braço e de apoio aos pés, são exigidos. Luzinete sente-se impotente diante da falta de recursos financeiros. Mas não desanima: “A gente fez de tudo a vida toda para a vida do Leo ser normal. É uma entrega total. Temos uma família unida e muito amor, além de fé no coração”.

Não faltam elogios para Leonardo. “Ele tem um histórico escolar muito bom. E não é questão de condescendência. É capacidade”, avaliou o supervisor pedagógico Francisco Augusto Vasconcelos. A professora de sociologia da escola, Márcia Gallina, mobilizou amigos de fora do colégio para ajudar. Enviou e-mails a conhecidos, com fotos de Leonardo e pedidos de apoio. “Conseguimos mais de R$ 1 mil. A comunidade é carente. Então, levamos a campanha para fora. O Leonardo merece porque se destaca perante colegas sem limitação aparente”, detalhou. Luzinete usa a palavra orgulho com frequência ao falar de Leonardo. “Não é o Léo que é especial. Eu é que sou. Deus me deu um anjo para cuidar. Me sinto honrada”, definiu.

Percepção e raciocínio

Cognição é tudo aquilo que se refere ao processo mental de percepção, memória, juízo e raciocínio. Na psicologia, usa-se esse termo para falar de estados e processos relativos ao saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados.

Quer ajudar?

Banco BRB
Leonardo Pereira Pompeu
Conta-corrente: 057-039774-0

Fonte: Correio Brasiliense



Comentários (0)

Ver Comentarios deste Post  Comentar este Post  Enviar para  Amigos  Imprimir este Post

antispam.br

6669629

3